Congresso Brasileiro do Sono

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A segregação residencial está associada à percepção das alterações do sono? Resultados do ELSA-Brasil

Introdução

O sono influencia a saúde e pode ser afetado por fatores individuais e também por determinantes socioeconômicos. A relação entre as condições ambientais e o sono já foi demonstrada, sendo o ruído ambiental, a falta de coesão social e a insegurança do local de moradia associados com a menor duração e percepção ruim do sono. A segregação residencial definida como “a separação sistemática dos indivíduos em diferentes vizinhanças com base na classe social ou raça” é considerada uma causa fundamental de disparidades em saúde. Os mecanismos hipotéticos que ligam a segregação residencial às queixas de sono incluem acesso limitado a oportunidades econômicas, recursos de promoção da saúde, bem como exposição crônica a fatores sociais prejudiciais à saúde, como violência e desordem.

Objetivo

Investigar a associação entre segregação residencial e queixas de insônia, duração e privação do sono.

Métodos

Este estudo utilizará os dados do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto, uma investigação multicêntrica com 15.105 funcionários públicos. Segregação residencial será medida usando estatística Gi*, um escore z com ponderação espacial, que representa o quanto a composição da classe social de uma vizinhança se desvia da média de uma unidade geográfica maior (por exemplo, cidades). Os dados do IBGE foram usados para criar pontuações da vizinhança com base no número de salários mínimos. As variáveis do sono foram mensuradas por meio de questionário, tais como duração do sono: "Quantas horas de sono você apresenta na noite de sono habitual?"; privação do sono, mensurada pela diferença do número de horas que dorme e o número de horas que precisaria dormir para se sentir descansado; e insônia: "Em relação ao seu sono durante a noite, em casa, durante as últimas 4 semanas, com que frequência você teve dificuldade em adormecer?","... acordou e teve dificuldade para dormir novamente?", e "... acordou antes do tempo desejado e não conseguiu dormir de novo?". Os participantes que responderam quase sempre ou sempre foram classificados com insônia. Para análise dos dados caberá um conjunto de modelos do tipo GEE sequenciais ajustados para confundidores, utilizando o software R.

Resultados

sem resultados

Conclusões

A compreensão dos fatores extrínsecos que impactam nas alterações de sono da população é fundamental, e investigar a associação entre segregação residencial e as alterações do sono pode ajudar a esclarecer os caminhos potenciais que levam aos problemas do sono.

Palavras-chave

Sono; insônia; segregação residencial; vizinhança.

Área

Projeto

Instituições

FIOCRUZ - Parana - Brasil, MARINHA DO BRASIL - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Leonardo Shigaki, Letícia de Oliveira Cardoso, Sandhi Maria Barreto, Luanna Giatti, Maria de Jesus Mendes da Fonseca, Dóra Chor, Sharelle Barber, Rosane Harter Griep